O glaucoma é muito sério e precisa de atenção acompanhamento de um oftalmologista. Entenda a doença e conheça o tratamento para evitar complicações.

Glaucoma: tratamento é essencial para evitar cegueira

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o glaucoma é considerado a maior causa de cegueira irreversível no mundo. Essa doença ocular afeta cerca de 65 milhões de pessoas no planeta e é o motivo de 4,5 milhões de casos de perda total de visão, de acordo com a Associação Mundial do Glaucoma.

Segundo Alexandre Thomaz, oftalmologista do Hospital Sepaco, as pessoas só procuram um especialista quando surge o sintoma de vista cansada, normalmente, por volta dos 40 anos. “Um milhão de pessoas no país tem glaucoma e metade delas não sabe”, comenta o especialista.

Diagnóstico do glaucoma

Ainda de acordo com o médico, a principal forma de análise é baseada na medida da pressão intraocular de fundo de olho. Também é possível realizar um diagnóstico pela avaliação do campo visual.

O médico ressalta ainda que existem pacientes com hipertensão ocular e podem não desenvolver o glaucoma, mas estes indivíduos devem ter um cuidado redobrado, pois significa que há aí um grande fator de risco.

Os sintomas variam de acordo com o tipo da doença, ou seja, a pessoa com ângulo aberto pode não apresentar nenhum sinal. Já quem tem ângulo fechado pode ter dores súbitas em um dos olhos, náuseas, vômito, e, no caso do glaucoma congênito, surge uma significativa sensibilidade e um excesso de lacrimação dos olhos.

Como há uma grande variação dos tipos de glaucoma, o oftalmologista explica que o objetivo dos tratamentos é reduzir a pressão ocular, podendo ser por meio de medicamentos, a laser e até cirúrgico. O importante é buscar um especialista para ter o diagnóstico correto e apenas o médico poderá indicar a melhor maneira de cuidar da doença.

Vá ao seu oftalmologista com frequência para evitar surpresas desagradáveis. Quanto mais você prevenir os cuidados com a sua saúde, melhor você viverá quanto tiver mais idade!